Metrô de São Paulo

Voltar

Linha do tempo

Apresentação do livro do consórcio construtor da Linha Norte-Sul.

O início de tudo:
estudos, pesquisas e planejamento


Antes da fundação do Metrô, muito trabalho de pesquisa e planejamento foi necessário. Por isso é importante lembrar a história que deu origem à primeira e maior empresa de transporte metroviário do Brasil.

No ano de 1966, foi criado pelo então prefeito Faria Lima o Grupo Executivo Metropolitano (GEM), que mais tarde se tornaria o Metrô que conhecemos hoje. Esse grupo contratou um consórcio de duas empresas alemãs, Hochtief e Deconsult, que se fundiu com a brasileira Montreal, formando uma nova empresa, a HMD.

Foi a HMD que, em 1967, realizou a primeira “Pesquisa Origem e Destino”, que mapeou as viagens então realizadas por transporte público na cidade e apontou as linhas básicas de metrô para a cidade de São Paulo. A partir disso, foram elaborados os primeiros estudos econômicos e o pré-projeto de engenharia.

Na época, esse grupo era coordenado por Francisco de Paula Quintanilha Ribeiro, que foi também o primeiro presidente do Metrô, e hoje dá nome à rua onde está localizado o pátio Jabaquara.

A primeira Pesquisa Origem e Destino do Brasil fez parte dos estudos que levaram à criação, um ano depois, da Companhia do Metropolitano de São Paulo – Metrô. Com os resultados, foi possível planejar a primeira rede básica de transporte metroviário da cidade. Desde então, a cada dez anos, sem interrupção, o Metrô realiza a maior pesquisa de mobilidade do Brasil, chegando a sua sexta edição em 2017, que será concluída em 2018.

 

Início das obras do Metrô, no bairro da Saúde.

1968
fundação e início das obras


No dia 24 de abril de 1968 foi realizada a assembleia que formalizou a constituição da Companhia do Metropolitano de São Paulo – METRÔ.

No final daquele ano, no dia 14 de dezembro, um ato simbólico, em um terreno localizado na rua Pereira Estéfano com a avenida Jabaquara, na zona Sul, marcou o início das obras da Linha 1-Azul (Jabaquara-Tucuruvi), a primeira do Metrô de São Paulo e do Brasil.

 

Viagem teste do protótipo.

Início da década de 70:
treinamentos e testes


Em 1972, as obras prosseguiam a todo vapor. Depois de meses de treinamentos e testes, uma composição-protótipo de trem realizou a primeira viagem do Metrô entre as estações Jabaquara e Saúde.

Seis meses antes de começar a operar comercialmente, em 1974, o Metrô iniciou um programa de treinamento com seus futuros usuários.

O objetivo era transmitir e habituar o público a utilizar corretamente o então desconhecido e novo meio de transporte, conscientizando a população sobre o valor de sua colaboração na conservação das instalações e dos equipamentos.

A cultura de manutenção e a qualidade da prestação do serviço público foram, portanto, os princípios que nortearam a idealização do Metrô.

 

Inauguração do trecho Jabaquara – Vila Mariana.

1974: o ano que mudou a vida da cidade


O dia 14 de setembro sempre será lembrado como o dia em que o Metrô mudou a vida da cidade de São Paulo. Foi nessa data, em 1974, que o primeiro metrô do País iniciou a sua operação comercial entre o trecho Jabaquara – Vila Mariana.

No início da sua operação, o Metrô funcionava de segunda a sexta-feira, das 9 às 13 horas, e fechava ao público nos fins de semana. Na época, a média diária de passageiros era de apenas 2.858 pessoas.

 

Inauguração da Estação Liberdade.

1975: o Metrô chega ao coração de São Paulo


No dia 1º de março de 1975, foi realizado o primeiro percurso entre as estações Jabaquara e Liberdade, levando o Metrô até o centro da cidade de São Paulo. Enquanto isso, no Vale do Anhangabaú, eram iniciadas as obras da Linha 3-Vermelha, então chamada de Leste-Oeste.

Em 26 de setembro de 1975, a Linha 1-Azul, com 16,7 quilômetros de extensão, de Jabaquara a Santana, começou a funcionar, operando comercialmente das 6h às 20h30.

Também em 1975, foi inaugurado o primeiro posto avançado da Central de Achados e Perdidos na estação São Judas da Linha 1-Azul. Desde então, o serviço é reconhecido como símbolo de confiabilidade na capital paulistana.

Desde sua inauguração, a Central de Achados e Perdidos do Metrô já contabilizou mais de 1 milhão de objetos e mais de 300 mil documentos perdidos, sendo que cerca de 28% de tudo o que foi encontrado nas dependências do Metrô voltaram para as mãos de seus donos.

 

Inauguração da Estação Sé.

1978: inaugurada a maior estação do Metrô


Em 17 de fevereiro de 1978, foi inaugurada a estação Sé, até hoje a maior do sistema metroviário, por onde circulam atualmente cerca de 600 mil pessoas todos os dias.

 

Trecho Sé – Brás, o primeiro as operar na Linha 3-Vermelha.

Fim da década de 70: entra em operação a Linha 3-Vermelha


No dia 10 de março de 1979, o primeiro trecho da Linha 3-Vermelha (Sé – Brás) entrava em operação comercial, com os trens circulando todos os dias, das 6h às 20h. A demanda diária era de 17 mil passageiros.

Um ano e meio depois, o atendimento ao público dessa linha foi ampliado – das 5h à meia-noite – com as inaugurações das estações Pedro II e Bresser. A demanda diária passou para 35 mil passageiros/dia.

 

Inauguração da Estação Tatuapé.

Década de 80:
expansão da Linha 3-Vermelha


A partir de 1981, a zona Leste contava com mais duas estações: Belém e Tatuapé, sendo que esta última passou a integrar o Metrô com o trem e os ônibus urbanos.

Com o aumento no número de usuários da Linha 3-Vermelha, ainda no ano de 1981, o posto da Central de Achados e Perdidos foi transferido para a estação marco da cidade: a estação Sé.

No ano seguinte, entrava em operação a estação República, a primeira do lado Oeste. Já em 1983, foram inauguradas as estações Anhangabaú e Santa Cecília.

Com as estações Carrão e Penha, em 1986, a Linha 3-Vermelha passou a funcionar de Santa Cecília a Penha.

 

Obras da Estação Brigadeiro.

1987: o Metrô chega ao centro financeiro e cultural de São Paulo


Em 1987, uma solenidade realizada no terreno localizado entre a avenida Paulista e a rua da Consolação marcou o início das obras do trecho Paulista da Linha 2-Verde (Vila Madalena-Vila Prudente).

 

Inauguração da Estação Corinthians-Itaquera.

1988: concluída a maior linha do Metrô


No segundo semestre de 1988, foram inauguradas cinco estações do lado Leste da Linha 3-Vermelha (Vila Matilde, Guilhermina-Esperança, Patriarca, Artur Alvim e Itaquera).

No final daquele ano, foram inauguradas as estações Marechal Deodoro e Barra Funda, concluindo os 22 quilômetros da linha, a mais extensa do Metrô. Atualmente, cerca de 1,45 milhão de pessoas utilizam diariamente a Linha 3-Vermelha.

 

Entrega do primeiro trecho da Paulista entre Paraíso e Trianon-Masp.

Década de 90:
inaugurada o trecho Paulista da Linha 2-Verde


Em 1990, foi realizada a viagem inaugural no trecho Paulista da Linha 2-Verde, entre as estações Paraíso e Trianon-Masp.

No dia 25 de janeiro de 1991, teve início a operação comercial do primeiro trecho da linha, com 3 quilômetros de extensão e três novas estações: Brigadeiro, Trianon-Masp e Consolação, além da estação Paraíso, que foi reformada.

A demanda inicial da Linha 2-Verde era de 19.800 passageiros/dia e seu funcionamento se limitava ao período das 10 às 15 horas, de segunda a sexta-feira. Dois meses depois, sua operação comercial foi ampliada, passando a atender das 6h30 às 20h30. A demanda passou para 119 mil passageiros/dia.

No ano seguinte, com a inauguração das estações Clínicas e Ana Rosa, o Metrô passou a prestar serviço em todo o trecho Paulista (da estação Ana Rosa até Clínicas), inclusive aos sábados, domingos e feriados.

No dia 1º de novembro de 1993, a operação comercial do trecho Paulista era antecipada para às 5h, passando a atender até as 20h30. No dia 20 de novembro de 1995, a operação comercial do trecho Ana Rosa-Clínicas foi estendida até à meia-noite.

 

Estação Tucuruvi.

1998: expansão nas regiões Norte e Oeste


No dia 29 de abril de 1998, foram inauguradas as estações Jardim São Paulo, Parada Inglesa e Tucuruvi, ao norte da estação Santana. Com isso, a Linha 1-Azul (então denominada de Norte-Sul) passou a contar com mais 3,5 quilômetros de extensão e três novas estações. Atualmente, essa linha conta com 20,2 quilômetros de extensão e 23 estações. Cerca de 1,4 milhão de pessoas são usuárias diárias da Linha 1-Azul.

No mesmo ano, no dia 21 de novembro, a Linha 2-Verde, que até então prestava serviço de Ana Rosa a Clínicas, ampliou o seu atendimento em mais 2,3 quilômetros de linhas com as inaugurações das estações Sumaré e Vila Madalena, na zona Oeste.

 

Estação Largo Treze da Linha 5-Lilás.

2002
inauguração da Linha 5-Lilás


No dia 20 de outubro de 2002, com a inauguração do trecho inicial da Linha 5-Lilás, entre as estações Capão Redondo e Largo Treze, no centro do bairro de Santo Amaro, a rede do Metrô ganhou mais 8,4 quilômetros de extensão operacional e seis novas estações: Capão Redondo, Campo Limpo, Vila das Belezas, Giovanni Gronchi, Santo Amaro e Largo Treze.

 

2004: expansão na região Sul


O Metrô continuou expandindo a sua rede, inclusive na zona Sul de São Paulo. Em 2004, foram iniciadas as obras de prolongamento da Linha 2-Verde em direção ao bairro do Ipiranga.

 

2005: implantação do Bilhete Único no Metrô


O Bilhete Único passou a integrar as viagens de Metrô em 2005. Essa foi uma solução adotada para facilitar a integração entre os transportes da cidade – ônibus, Metrô e ferrovia, que permite que ao passageiro a integração com Metrô e trem pagando um preço menor do que a soma das tarifas de transportes utilizados.

 

Estação Santos-Imigrantes.

2006: Linha 2-Verde chega à Chácara Klabin


Em 2006, o sistema metroviário era ampliado com a inauguração da estação Imigrantes e, alguns dias depois, com a operação da estação Chácara Klabin, ambas na Linha 2-Verde.

 

Estação Alto do Ipiranga.

2007: ampliação da Linha 2-Verde


Em 30 de junho 2007, o atendimento da Linha 2-Verde foi ampliado com a entrada em operação da estação Alto do Ipiranga.

 

Túnel da Estação Consolação, interliga as Linhas 2 e Linha 4.

2010
mais 3 novas estações e inauguração da Linha 4-Amarela


No dia 30 de janeiro de 2010, foi inaugurada a estação Sacomã da Linha 2-Verde. Neste mesmo ano, começou a operar a estação Vila Prudente e, em setembro, a estação Tamanduateí.

Construída pela Companhia do Metropolitano de São Paulo e operada pela empresa concessionária ViaQuatro, a Linha 4 – Amarela teve o primeiro trecho, entre as estações Faria Lima e Paulista, inaugurado em 25 de maio de 2010.

 

Estação Luz da Linha 4.

2011: novas estações na Linha 4-Amarela


No ano de 2011, foi aberta a estação Butantã e, em 16 de maio deste mesmo ano, a estação Pinheiros. Após quatro meses, as estações República e Luz foram entregues ao público.

 

2012: entre os 10 melhores metrôs do mundo


Em 2012, a rede de televisão americana CNN premiou o Metrô de São Paulo como um dos 10 melhores de todo o mundo.

 

Linha 15-Prata.

2014: inaugurações, inovação e mais prêmios


Em 2014, com o início da operação da Linha 15-Prata em um trecho de 2,3 km e das estações Vila Prudente e Oratório, o Metrô foi pioneiro em uma das mais recentes inovações de mobilidade urbana com a implantação e uso do sistema de monotrilho como modal de média a alta capacidade de transporte.

No mesmo ano, foram inauguradas as estações Adolfo Pinheiro (Linha 5-Lilás) e Fradique Coutinho (Linha 4-Amarela).

Ainda em 2014, o Metrô de São Paulo foi considerado o melhor sistema das Américas pela The Metro Awards, principal premiação internacional do setor, pelo seu alto índice de confiança, segurança e regularidade.

 

2015: prêmio em reconhecimento ao atendimento às pessoas com deficiência


Em reconhecimento ao trabalho de atendimento às pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, o Metrô foi premiado, em 2015, pela União Internacional de Transportes Públicos (UITP), na categoria Serviços a Clientes, com o projeto “Ações de Relacionamento Inclusivas”, em congresso realizado em Milão (Itália).

O Metrô já havia recebido, também da UITP, dois outros prêmios de destaque. Em 2008, pela qualidade do relacionamento com os usuários, com ênfase para a inclusão social da população idosa e das pessoas com deficiência.

E em 2013, pelo trabalho em redes sociais, o Metrô recebeu o Prêmio Crescer com o Transporte Público (Grow With Public Transport), categoria Inovação em Serviços ao Cliente (Customer Service Innovation), com destaque para o uso inovador das novas tecnologias da informação, envolvendo a colaboração dos clientes para melhorar o serviço operacional de trens e estações.

 

Estação Brooklin.

2017: Metrô é eleito melhor serviço de transporte de São Paulo pelo terceiro ano consecutivo


Em 2017, foram entregues à população mais três estações: Alto da Boa Vista, Borba Gato e Brooklin, todas na Linha 5-Lilás.

Naquele ano, o Metrô foi eleito pelo terceiro ano consecutivo como o melhor transporte da cidade, segundo o Datafolha. A pesquisa “O Melhor de São Paulo Serviços” apurou as melhores opções oferecidas na capital e apontou o modal metroviário, como o preferido de 57% dos paulistanos.

 

2018
linhas 5-Lilás, 15-Prata e 4-Amarela em plena expansão!


Em março de 2018, foi aberta a Estação Eucaliptos, da Linha 5-Lilás. A extensão da linha tem, hoje, 15,2 quilômetros e 11 estações em funcionamento. Há previsão de serem abertas mais 6 estações ainda neste ano.

A Linha 15-Prata será uma importante ligação da região leste com o centro da capital paulista. O ramal está sendo ampliado e deve passar a operar, ainda no primeiro semestre de 2018, com mais 8 estações e 10 quilômetros, chegando ao bairro de São Mateus.

Já na Linha 4-Amarela, foi aberta a Estação Higienópolis-Mackenzie e há previsão para serem inauguradas mais 2 duas estações em 2018.

 

Mapa do Transporte Metropolitano atual.

O nosso Metrô, hoje


A malha metroviária possui atualmente 89,7 km de extensão, seis linhas (1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha, 4-Amarela, 5-Lilás e 15-Prata) e 79 estações. O sistema metroviário inteiro transporta, em média, cerca de 4,5 milhões de usuários. A rede operada pela Companhia do Metrô transporta 4 milhões de pessoas por dia.

 

Metrô de São Paulo

© 2018